A divergência entre Freud e Jung

Dia 06/10/2017
Palestrante:
Ricardo P. Souza
Local: IBTSANDPLAY – Rua Deputado Lacerda Franco, 300, cj. 44, Pinheiros


“A divergência entre Freud e Jung”

Divergências entre Freud e Jung

Serão abordados os principais aspectos envolvidos no encontro e na separação de Sigmund Freud e C.G. Jung, nos primórdios do desenvolvimento da análise do inconsciente.

A Freud se destina o termo psicanálise, enquanto que Jung desenvolveu o que chamou de psicologia analítica. Se os nomes podem se sobrepor em certos sentidos, no centro de cada perspectiva repousam diferenças enormes. Freud atribui ao confronto entre o instinto sexual e a repressão, decorrente das moralidades sociais internalizadas, o centro de nossa vida psíquica. O inconsciente é pessoal e contém uma multidão de figuras amarguradas, recalcadas e reprimidas. Já Jung se recusa a atribuir a um único instinto a fonte da psique: o inconsciente que ele observa nos mitos da humanidade e nos sonhos das pessoas comuns, é muito mais profundo, impossível de ser considerado pessoal, mas sendo de fato coletivo, antigo, arcaico, parental, familiar, tribal, histórico e evolutivo. A pique é construtiva e precisa encontrar significado e finalidade nas coisas e na vida.

Onde Freud viu o sexo como centro do processo subjetivo humano, Jung viu a religião e sua intimidade com a experiência de significado.


Ricardo PiresRicardo P. Souza

MINI- CURRICULO: Analista junguiano; Doutor em Medicina pela Universidade de São Paulo, analista didata do Instituto Junguiano de São Paulo, filiado à Associação Junguiana do Brasil e à International Association for Analytical Psychology (Zurique), editor científico da “Self – Revista do Instituto Junguiano de São Paulo”, diretor de ensino do Instituto Junguiano de São Paulo, médico assistente do Departamento de Diagnóstico por Imagem e do Departamento de Cirurgia de Cabeça e Pescoço da Escola Paulista de Medicina / Universidade Federal de São Paulo, autor dos livros de poesia “Anima Mundi” (2004) e “A Dança de Shiva” (2010), Ateliê Editorial

Deixe uma resposta