ALQUIMIA

Resumo: Este artigo traça um paralelo entre os estágios e as principais operações da obra alquímica, ao redor das quais se estrutura o processo de individuação experimentado pelo método Sandplay.

Seguindo a contextualização teórica de C.G.Jung e Edward F. Edinger é demonstrado por meio de imagens de Sandplay, os processos alquímicos que estão em evidência em cada imagem, o momento presente do paciente e os conteúdos psíquicos que estão sendo elaborados.

Maiores  informações: ednalevy@uol.com.br

AMPULHETA

Resumo: Este estudo, qualitativo, discute o valor da ampulheta como símbolo moderador e compensatório de processos unilaterais da experiência com o tempo, buscando nas raízes arquetípicas uma compreensão da força carreadora deste símbolo para o processo terapêutico. Sabe-se que a abordagem teleológica junguiana trata a imagem simbólica como possível ativadora de forças psíquicas, agregando a elas um sentido próprio dentro do processo psíquico, daí a importância do método da amplificação para o trabalho analítico e para o Sandplay. A simbologia da ampulheta valoriza o encontro sincronístico entre o tempo linear de Kronos e o tempo simbólico de Kairós, conjunção esta que traz ao processo terapêutico mais fluxo, moderação e transformação no lugar de impasse e estagnação. Neste percurso, cada repetição leva a um novo lugar, a uma nova síntese, a um novo ponto na espiral do desenvolvimento, facilitando e refinando o intercâmbio e possível integração dos opostos. Finalizamos este estudo concluindo que ao objetivar conteúdos do inconsciente, em um ato do próprio indivíduo, neste caso, através da experiência do Sandplay, as imagens internas podem operar em conjunto com o consciente. Como Jung elucida, a compreensão intelectual e emocional das imagens também possibilita ao paciente uma integração consciente, não só racional, mas também moral.

Mais informação: rogerel@terra.com.br

CORAÇÃO

Resumo: A busca do significado do coração foi despertada pela grande casuística de doenças cardiovasculares as quais não podem ser reduzidas ao plano orgânico materialista devido às inúmeras inter-relações psicossomáticas deste órgão. Seu simbolismo é tão rico que remonta à época das cavernas onde um primitivo desenho de mamute já mostra no seu centro um desenho deste órgão. Observando o coração como um órgão psicossomático, nesta pesquisa são descritos seus vários significados a partir da sua etimologia e estudo de mitos e simbolismo em diferentes culturas. Uma amplificação levantou as seguintes categorias: 1) O coração no altar dos deuses; 2) Elegias para acalmar o coração; 3) O  coração em julgamento; 4) O lugar secreto; 5) O lugar do som universal; 6) Coração fechado; 7) O coração circuncisado; 8) O Sagrado Coração. A pesquisa termina com uma leitura analítica da importância do coração no desenvolvimento psicológico.

Maiores informações: deniseramos@uol.com.br

ESPELHO

Resumo: Na esperança de estimular outros terapeutas a “refletir” sobre a utilização dos espelhos e seus possíveis significados nos cenários de sandplay este artigo abrange seu simbolismo em diferentes épocas e culturas, na mitologia e nas religiões de alguns povos, nas diversas correntes psicológicas, na literatura de sandplay, e por último, em cenários da autora. O espelho germina um espaço de ambiguidade, a imagem refletida parece idêntica ao que somos capazes de ver (ainda que invertida) e ao mesmo tempo, é ilusória, porque precisamos ir além da superfície da imagem, no grande esforço de ver além das “aparências”. O espelho assume, assim, sentidos opostos: pode representar a “verdade” (transcendente ao ego) e a aparência (véu de ilusão dos complexos). Nessa pesquisa, os componentes dessa ambiguidade ficaram claros. Com o objetivo de acrescentar aos terapeutas de sandplay uma gama de “olhares” sobre os duais significados inerentes aos espelhos, traçamos abaixo paralelos entre aquilo que se vê e aquilo que se esconde por trás do Espelho: 1) Espelho como caminho para aprofundamento interior ou aprisionamento no seu interior; 2) Espelho como denunciante da sombra narcísica ou refletor da necessidade de espelhamento positivo; 3) Espelho como aquele que mascara ou reconhece a Si Mesmo; 4) Espelho como realidade (essência) ou ilusão (aparência); 5) Espelho como instrumento da vaidade ou da autoestima/ inferioridade; 6) Espelho como contemplado pelo ego ou que contempla o Self; 7) Espelho como sombra negada ou a persona almejada; 8) Espelho como projeção ou recolhimento interior; 9) Espelho como portal de acesso à consciência ou cegueira e vazio; 10) Espelho como defesa protetora da consciência ou resistente à transformação; 11) Espelho como desejo da ‘alma por corpo’ ou do ‘corpo por alma’; 12) Espelho como “mãe boa” que espelha amor ou “mãe má” que inveja; 13) Espelho como sombra individual ou persona coletiva; 14) Espelho como narcisismo autocentrado pertencente ao desenvolvimento ou como compulsão neurótica de averiguação perfeccionista.

Mais informação: mrsapata@gmail.com

GANSO

Resumo: Este artigo discute o papel simbólico do ganso e o seu significado na Terapia do Sandplay. Psicologicamente os pássaros podem ser vistos como símbolos fálicos mas que possuem poderes de sublimação e espirituais. Nas histórias de contos de fadas os pássaros podem comunicar desejos de amor. Eles podem também simbolizar pensamentos, imaginação e relações espirituais. Traços essenciais do arquétipo materno podem ser vistos no ganso. Um significado positivo é que a måe ganso nutre, cuida e sustenta os filhotes. Por outro lado um significado negativo é a agressividade na proteção dos filhotes e do território. Na minha prática da Terapia do Sandplay as miniaturas do ganso ocorrem com mais frequência nas crianças do que com os adultos. Observo que na maioria dos casos as crianças usam mais o ganso nos estágios iniciais do processo terapêutico enquanto que os adultos tendem a usar nos estágios finais do processo. O símbolo do ganso parece acionar a história das emoções da infância e crenças, isto remete a conteúdos mais arcaicos do nosso inconsciente. Por um longo tempo as penas de ganso foram usadas como instrumento de escrita. Escrever a respeito do ganso como símbolo que foi muito importante para mim desde a minha infância estimulou a minha imaginação e me ajudou a construir meu processo criativo.

Mais informação: reinaldamm@hotmail.com

 

GOLFINHO

Resumo: O animal é um dos símbolos mais poderosos para o ser humano. Ele está presente, tanto na sua expressão individual, através de sonhos, fantasias, desenhos, pinturas e cenas do Sandplay como na expressão coletiva, por meio de mitos, contos, folclore e arte. Este trabalho se propõe a apresentar vários aspectos do simbolismo do golfinho, também denominado delfim e boto, mamífero que se adaptou à vida aquática há *milhões de anos, dotado de comportamento inteligente  e comunicativo, muito próximo do homem e presente no imaginário de povos de diferentes partes do mundo. Na apresentação dos diferentes aspectos do simbolismo são  destacadas a época e a cultura a que eles se referem, e no final de cada um deles é feita uma interpretação psicológica sob a luz da psicologia junguiana.

Mais informação: mhmontbalt@hotmail.com